O mercado da carne

Sustentabilidade, manejo do gado, tecnologia e processamento adequado se refletem na qualidade da carne brasileira, fazendo do país o maior exportador de proteína bovina do mundo à frente da Índia e Austrália. O Brasil é também o maior consumidor do planeta.  Significa que a vitalidade do setor se concentra essencialmente no mercado interno.

O capitalismo consciente é um diferencial e apresenta-se para um mercado cheio de possibilidades. Janelas se abrem mundo afora quando o horizonte do negócio deixa de ser apenas o lucro. O importante é colocar na gôndola produtos que o consumidor deseja em sua mesa com qualidade.

Boas práticas, bem-estar, compromisso social, transparência, procedência do produto, adoção de medidas anticorrupção deixaram de ser valores invisíveis e passaram a ter apelo social, compondo a marca e o produto, junto ao consumidor exigente que não mais se contenta apenas com o aspecto visual da mercadoria. Tornar-se empresa bem-sucedida é consequência de adoção de um conjunto de regras que norteiam as diretrizes do negócio.  A política ultrapassada de concorrência tornou-se obsoleta, o importante é atender a demanda do consumidor final com o que de melhor pode ser ofertado. Esse é o foco.

Nas últimas três décadas, a produtividade de proteína aumentou quase 150% – Agroconsult Pecuária/IBGE.  Ainda que o sobe e desce dos indicadores econômicos, a retração do mercado externo – sempre recorreste -, o vaivém do índice de projeção do PIB, a oscilação do dólar, a indefinição do cenário político, vislumbramos um horizonte de esperança e otimismo; acreditamos na recuperação da economia. O dinamismo do segmento é instigante. Estimula a revisão dos processos de gestão, promove a inovação e fomenta a política de boa conduta.

Nosso Grupo vai investir R$60 milhões, no médio e longo prazos, em duas plantas Campo Belo e Abaeté, em Minas Gerais, já no segundo semestre, o que sugere geração de emprego direto e indireto. Hoje exportamos para 30 países, atendemos o mercado interno e possuímos 1300 colaboradores.

A consciência verde assume papel importante na indústria da proteína bovina, com desenvolvimento sustentável, gerenciamento dos resíduos sólidos, tratamento 100% dos efluentes líquidos e atmosféricos. O Supremo é o único frigorífico brasileiro signatário do Instituo Ethos de Sustentabilidade e o primeiro de Minas Gerais certificado pela Associação Brasileira de Criadores da raça Angus.

Aliado às leis do mercado e à necessidade de inserção de novas tecnologias, capital humano especializado, a tendência é seguir uma produção otimizada, capaz de atender padrões internacionais de segurança alimentar os mais exigentes, com reflexos positivos na carne e no mercado.

A ideia de carne apenas como commodities – produto simples de baixo valor agregado –  já está sendo ultrapassada, principalmente para os entusiastas e seguidores de cortes e sabores especiais.

 

 Sandro Silva de Oliveira Júnior

Executivo – www.supremocarnes.com.br

Publicado no jornal O Tempo, Caderno Opinião, quinta-feira, 28 de junho de 2018